segunda-feira, 8 de outubro de 2007

“Quer namorar comigo?”... via internet!!

Por Kleber Godoy

Os avanços tecnológicos proporcionados pelo capitalismo e pela sociedade pós-moderna ajudaram o ser humano a transpor barreiras, principalmente em termos de tempo e espaço. Estou aqui em meu computador escrevendo um texto para o meu site e em instantes qualquer pessoa do mundo poderá ler o que escrevi. Realmente fantástico se pensarmos pelo ângulo da mente de nossos avós. Mas tudo isso gera novas formas de se criar vínculos entre as pessoas e então vem a pergunta: até onde isso é sadio?

Os textos abaixo mostram dois interessantes casos reais, recentes, que foram facilitados pela Internet, ambos com um teor trágico. Mas para contrastar com elas posso falar da minha própria vida e dizer que não é a mudança que a tecnologia proporcionou que comanda as nossas vidas, mas sim como nós fazemos uso destas novas formas de se criar vínculos. Para mim, a internet, se bem utilizada é um instrumento fantástico de interação e comunicação. Logo, falando em termos de pesquisa científica, em todas as áreas, hoje é possível a produção de pesquisas científicas com muito mais rapidez que antes, mesmo porque há como se pesquisar referências de produções já feitas no mundo todo em segundos através de ferramentas como o http://www.google.com.br/, assim como a comunicação entre pesquisadores se tornou mais rápido e com baixíssimo custo, haja vista os e-mails que substituem, nesse caso, o telefone.

Enfim, as argumentações são inúmeras e mostram que é o uso que se faz de tal ferramenta é que vai dizer o que vai dar no final da história. E nas relações afetivas, me expondo um pouco (risos), o que posso falar? Bem, falar que conheci meu namorado pela internet e que esse encontro já tem vários anos é mais que uma ilustração positiva do bom uso da informática, não? Isso sem falar em meus amigos, conhecido por meio da virtualidade, mas com um afeto puramente humano.

Enfim, vamos aos textos ilustrativos e, ao final destes, faço algumas considerações. Ambas as notícias foram retiradas do Portal Terra (http://www.terra.com.br/).

_________________
Casal descobre ser amante um do outro na web e se divorcia

Um casal bósnio está se divorciando, depois de descobrir que um traía o outro em chats na Internet. Detalhe: eles começaram o relacionamento virtual usando pseudônimos, e só descobriram a verdade quando combinaram um encontro real com os "novos parceiros".

Sana Klaric, 27 anos, e seu marido Adnan, 32, usavam os nomes de "Sweetie" e "Prince of Joy" em salas de bate-papo. Conheceram-se e iniciaram uma relação, confidenciando-se mutuamente os problemas que tinham em seu casamento. Os dois, de acordo com reportagem publicada no site Metro.co.uk, estavam convencidos de terem finalmente encontrado sua alma gêmea.

Então, resolveram marcar um encontro real para se conhecerem e descobriram a verdade. Agora, o par está em processo de divórcio, e um acusa o outro de ter sido infiel.

"De repente, eu estava apaixonada, era maravilhoso, parecia que ambos estávamos amarrados no mesmo tipo de casamento infeliz", contou Sana. "Depois, me senti tão traída", disse.

Adnan, continua sem poder acreditar no que aconteceu. "É difícil pensar que Sweetie, que escreveu coisas tão maravilhosas para mim, é na verdade a mesma mulher com quem me casei e que, por anos, não foi capaz de me dizer uma única palavra agradável".

_________________
Homem perde R$ 65 mil em sites de namoro

Um homem perdeu 16 mil libras, cerca de R$ 65 mil, depois de enviar o dinheiro para mulheres que conheceu via Internet e que nunca apareceram. David Hodkinson, de Margate, Kent, na Inglaterra, colocou seu perfil em um site de namoro e foi chamado por uma russa chamada Natalia, de acordo com a vunet.

Hodkinson enviou 10 mil libras para que a mulher pudesse obter um visto e comprasse passagens para encontrá-lo na Inglaterra. Depois de receber uma série de datas de chegada, ele fez quatro viagens a Heathrow para encontrá-la. "Não sinto raiva no coração. Eu realmente a amava", disse Hodkinson à BBC.

Hodkinson depois tentou um outro site de namoro, para cristãos, e começou a conversar com uma senegalesa. Ele enviou 6 mil libras para ela, mas essa mulher também nunca apareceu.

O inglês pegou dinheiro emprestado de sua mãe, já idosa, e fez uma segunda hipoteca de sua casa para conseguir dinheiro e enviar para as mulheres. Sua mãe, agora, está fazendo um empréstimo para livrar o filho das dívidas. "Eu falei para ele deixar de ir a Heathrow. Eu sabia no meu coração que elas nunca apareceriam, mas ele não me escutava", declarou a senhora.
_________________________________________________
_________________________________________________
Novas formas de comunicação, sites de relacionamento como o http://www.orkut.com/ e uma imensidade de sites que abarcam desde desenhos animados até sexo, legalidades e ilegalidades. Pode-se namorar, pode-se fazer compras sem sair de casa e pode-se até mesmo fazer sexo... pela internet (algo até mais seguro quando se fala em saúde, não é mesmo? - Risos...).

Mas quem continua mandando nisso tudo é o próprio homem.

No primeiro texto, acho que a conotação dada pode ser positiva visto que o casal poderia ficar junto (o que vocês acham?), já que o as coisas não iam muito bem entre eles e voltaram a se apaixonar.

"É difícil pensar que Sweetie, que escreveu coisas tão maravilhosas para mim, é na verdade a mesma mulher com quem me casei e que, por anos, não foi capaz de me dizer uma única palavra agradável".

Eu achei lindo, mesmo porque é essencial esse “reapaixonar-se” diário, aceitando as falhas do outro e aceitando as próprias falhas, se humanizando e humanizando o outro, aproiveitando estas angústias para o crescimento interno e do vínculo afetivo que existe. Winnicott nos ensina muito sobre estas aceitações. Mas... sem muitas considerações sobre isso. A psicanálise adoraria trabalhar este caso!! (risos)

Eles viviam as mesmas angústias, mas não havia comunicação. Até minha mãe que não é psicanalista disse: “eles se identificaram...”.

O segundo texto. Magnífico... "Não sinto raiva no coração. Eu realmente a amava". Nem sei o que comentar!! Sobre carência afetiva no mundo atual? Sobre como a internet dá uma ilusão de que há mais proximidade entre as pessoas? Ou em como a internet REALMENTE aproxima as pessoas? Sobre os novos sintomas que são proporcionados pela comunicação virtual? Em como as pessoas se sentem menos sozinhas sabendo que tem o mundo todo ali no seu quarto e é só conectar à internet para entrar em contato com todas essas pessoas? Pense você...

Encerro hoje com um suspiro... foi ótEEEEmo para mim estar aqui e escrever, falar sobre esse assunto. Foi bom pra você??

Um comentário:

Rudemberg de Almeida disse...

Salve Kleber! Peguei o endereço do seu blog na lista do COrep-SP e gostaria de convidá-lo a participar da Revista PREPSICO, enviando texto ou material para publicação. Caso te interesse, entre em contato ou visite nosso site para conhecer a política editorial.
Grande abraço!
www.prepsico.psc.br